VILANOVA ARTIGAS: Casas Paulistas

O Docomomo_Brasil, o IAB-PE, o MDU/UFPE e a Romano Guerra Editora convidam para a palestra e lançamento do livro:

"Vilanova Artigas - casas paulistas" de Marcio Cotrim

Terça-feira dia 18 de abril de 2017, às 19h no IAB-PE
Rua Jener de Souza, n.130, Derby, Recife-PE

Abertura: Fernando Diniz - Coordenador Geral Docomomo Brasil
Apresentação do Livro: Marcio Cotrim

O livro se origina da tese de doutorado defendida com em julho 2008 na Universidade Politécnica da Catalunha, de autoria de Marcio Cotrim e sob a orientação dos professores Fernando Alvarez Prozorovich (Espanha) e Abilio Guerra (Brasil), que assinam a apresentação do livro, onde pode ser ler o seguinte:

“Evitando mecanismos apriorísticos, o autor trabalhou com uma grande quantidade de material original do período analisado disponível no arquivo de Vilanova Artigas, visitou e experimentou suas casas, conversou com seus proprietários e recolheu valiosos depoimentos. Além disso, realizou um trabalho de análise metodologicamente impecável no qual se destacou o interesse pela obra e a necessidade de revelar o modus operandi do autor, buscando recordar o ‘muito no pouco’, como diz o poema de Fernando Pessoa citado pelo próprio Artigas em seu texto 'O desenho', de 1967. E devemos reconhecer que não é tarefa fácil o desafio de analisar obras e projetos estilisticamente tão diferentes como as casas Elza Berquó, José Mário Taques Bittencourt III, Ariosto Martirani, Alfred Günther Domschke, Juvenal Juvêncio, Elias Calil Cury ou José Vieitas Neto. Na confrontação com a doxa arquitetônica de sua época, expressada pela jovem crítica brasileira desencantada frente aos dogmas modernos reinantes, Artigas parece eleger dar um passo atrás, talvez para não ficar completamente isolado”.

Na ocasião, o livro estará à venda pelo preço promocional de apenas R$40,00.

Patrocínio: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo

Realização: Governo do Estado de São Paulo e Ministério da Cultura, Lei de Incentivo à Cultura.
Apoio Cultural: Projeto Vilanova Artigas, Gail e Senac

Humberto Serpa: arquitetura

De autoria de Nara Grossi e elaborado a partir da dissertação de mestrado da autora, a obra apresenta um estudo sobre Humberto Serpa, um dos principais protagonistas da arquitetura mineira do século XX. "Apreciar Humberto Serpa é um exercício de sentir qualidades atemporais – mesmo que seja difícil definir o que e como são esses valores. Daí a importância desta introdução que Nara nos brinda sobre um arquiteto que pode ser a abertura para outras faces da pluralidade mineira. Que é também a pluralidade brasileira" (Hugo Segawa).

Museografia e Arquitetura de Museus: Fotografia e Memória

Ceça Guimarâes (organizadora). Rio de Janeiro, Rio Books.


Celebrar o centenário de nascimento e a obra fotográfica de Benício Whatley Dias (1914 - 1976), recifense e pernambucano, cujos trabalhos articulam o Movimento Moderno e o Patrimônio é um dos motivos dessa coletânea de artigos. Agrega-se a isso o interesse dos autores sobre Fotografia e Arte, Urbanismo e Museologia quando estas disciplinas despertam e conectam as formas de olhar sensíveis às transformações da paisagem urbana.
Desse modo, os textos de arquitetos e museólogos, historiadores e artistas, aqui reunidos, tratam das imagens fotográficas sob a perspectiva museológica e identitária, associando Fotografia, Museologia e Arquitetura - tanto no sentido da História Urbana quanto da Expografia e da Conservação.
Agradecemos a colaboração da filiada Ceça Guimaraes

Nova publicação: Blocos de memórias

Discorrendo sobre a patrimonialização da arquitetura em âmbito nacional e internacional, Flávia Brito do Nascimento propõe um estudo dos conjuntos residenciais construídos no Brasil entre os anos de 1930 e 1964, a  partir da análise dos seus processos de tombamento e de suas publicações em periódicos especializados. A autora discute a concepção de memória da arquitetura moderna brasileira desenvolvida nos anos 1980 e a construção da ideia do não lugar dos conjuntos residenciais no patrimônio cultural. Dedica-se ainda ao estudo dos aspectos materiais da preservação destas habitações destacando, neste contexto, a trajetória do Conjunto Residencial do Pedregulho, no Rio de Janeiro.

Blocos de Memória insere-se, assim, no debate sobre preservação da arquitetura e urbanismo modernos, realçando a importância histórica dos conjuntos residenciais e o que representam como patrimônio.

O lançamento se realizou no dia 22 de março em São Paulo, e no dia 30 de março no Rio de Janeiro

Lançado o livro Estado, arquitetura e desenvolvimento: a ação habitacional do IAPI

O livro de autoria de Nilce Aravecchia-Botas é fruto de sua tese de doutorado defendida na FAUUSP em 2011 e orientada por Nabil Bonduki. A publicação traz em suas páginas uma rica pesquisa realizada em fontes primárias e secundárias, além de imagens da que pode ser considerada a maior política habitacional empreendida no país entre 1930 e 1964. 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Livro sobre o arquiteto Jayme C. Fonseca Rodrigues

Livro sobre o arquiteto Jayme C. Fonseca Rodrigues

Foi lançado no dia 17 de novembro último o livro intitulado Jayme C. Fonseca Rodrigues - Arquiteto, organizado e escrito por Hugo Segawa (FAUUSP). O volume conta com capítulos das arquitetas Juliana Suzuki (DAU-UFPR) e Nilce Aravacchia-Botas (FAUUSP) e está estruturado em sete partes para compor uma "cápsula do tempo" da vida e obra do arquiteto. Jayme C. Fonseca Rodrigues chegou a deter um dos maiores e mais atuantes escritórios de arquitetura de meados do século XX. Com a morte prematura aos 41 anos, os projetos foram conservados pela família. O livro é uma publicação da BEI Editora.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Nova edição do livro Patrimônio construído, agora com obras modernas

Após 14 anos, foi lançada a segunda edição do livro Patrimônio Construído, de Cristiano Mascaro, que trazia em sua primeira edição as “100 mais belas obras de arquitetura do Brasil, tombadas pelo IPHAN”. Agora a edição foi acrescida de 10 obras modernas, como o Aterro do Flamengo, a Caixa D´Água de Olinda e a Rodoviária de Londrina, escolhidas com a curadoria dos críticos Lauro Cavalcanti e Fernando Serapião e do arquiteto Pedro Mendes da Rocha.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação