Edital de Seleção Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – Universidade de Brasília

Edital de Seleção Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – Universidade de Brasília

O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPG-FAU/UnB) torna público que estão abertas inscrições para o processo de seleção de 01 (um) candidato para o Programa Nacional de Pós- Doutorado – PNPD/CAPES, no período 18 de junho a 20 de julho de 2018, para exercer atividades de pesquisa e docência em regime integral.

Sobre o Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – Universidade de Brasília

Desde 1962, o Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília promove a formação Stricto Sensu de profissionais dentro de um escopo multidisciplinar das diferentes áreas acadêmicas da Arquitetura e Urbanismo. Hoje, este programa conta com 44 orientadores credenciados. O PPG-FAU se organiza dentro de três Áreas de Concentração, subdivididas em nove Linhas de Pesquisa.

I  – PROJETO E PLANEJAMENTO

A área de Projeto e Planejamento abarca estudos sobre políticas, planos e gestão em escalas diversas, do edifício ao território. As pesquisas voltadas para o âmbito edilício envolvem estratégias projetuais, configuração, representação e acessibilidade. Entre os temas diversos dos estudos relacionados ao urbano, podem-se citar análises e proposições sobre planejamento urbano e territorial, legislação, reabilitação, regularização fundiária urbana e mobilidade.

1.  Projeto e Planejamento edilício

Projeto e planejamento edilício, com foco em processos, estratégias projetuais e de representação. Acessibilidade. Configuração edilícia. Ensino de projeto. Conceitos, projeto e planejamento da habitação urbana e rural. Política, planejamento e gestão de empreendimentos habitacionais. Pesquisadores: Cláudia Naves David Amorim, Jaime Gonçalves de Almeida, Julia Issy Abrahão e Raquel Naves Blumenschein.

 2.  Projeto e Planejamento urbano e regional

Teoria e prática de planejamento, projeto e gestão nas escalas local, urbana, metropolitana, regional e territorial. Conhecimento analítico, interdisciplinar e propositivo do espaço e da forma, da cidade, paisagem e infraestrutura nas múltiplas escalas. Configuração, revitalização e reabilitação do espaço público. Legislação urbanística, edilícia, ambiental e patrimonial, leis de uso e ocupação do solo, planos e projetos urbanísticos. Mobilidade urbana e regional. Pesquisadores: Benny Schvarsberg, Frederico Rosa Borges de Holanda, Gabriela de Souza Tenório, Julia Issy Abrahão, Liza Maria Souza de Andrade, Luciana Saboia Fonseca Cruz, Márcio Augusto Roma Buzar, Marcos Thadeu Queiroz Magalhães, Maria do Carmo de Lima Bezerra, Marta Adriana Bustos Romero, Mônica Fiuza Gondim, Paulo Roberto Carvalho Tavares, Rômulo José da Costa Ribeiro e Valério Augusto Soares de Medeiros.

II  – TEORIA, HISTÓRIA E CRÍTICA

A área de concentração Teoria, História e Crítica realiza pesquisas em torno dos processos históricos de concepção, transformação e reflexão sobre arte, arquitetura e cidade. A formação nessa área transita desde os fundamentos epistemológicos e sociais da cultura material até a articulação crítica do pensamento sobre o patrimônio cultural, passando pelo estudo empírico e documental, com metodologias diversas e enfoque interdisciplinar. Acolhe recortes espaço-temporais diversos, com ênfase na região de Brasília em perspectiva diacrônica.

1.  História e Teoria da Arquitetura

Estudo teórico, histórico e historiográfico da arquitetura, estabelecendo interfaces com disciplinas afins, privilegiando sua dimensão cultural de forma mais complexa e crítica. Para mais detalhes das atividades desta linha de pesquisa, conheça também o Laboratório de Estudos da Urbe – LabeUrbe. Pesquisadores: Carlos Henrique Magalhães de Lima, Eduardo Pierrotti Rossetti, Elane Ribeiro Peixoto, Maria Fernanda Derntl, Paulo Roberto Carvalho Tavares, Pedro Paulo Palazzo de Almeida, Ricardo Trevisan e Sylvia Ficher.

2.  História e Teoria da Cidade e do Urbanismo

Processos históricos e as bases teóricas de produção, transformação e gestão das cidades e do espaço urbano, nas suas múltiplas escalas e temporalidades, afirmando a cidade e o urbano como objetos de interesse multidisciplinar. Para mais detalhes das atividades desta linha de pesquisa, conheça também o Grupo de Pesquisa em História do Urbanismo e da Cidade – GPHUC e o Laboratório de Estudos da Urbe – LabeUrbe. Pesquisadores: Ana Elisabete de Almeida Medeiros, Carlos Henrique Magalhães de Lima, Carolina Pescatori Candido da Silva, Elane Ribeiro Peixoto, Frederico Rosa Borges de Holanda, Luciana Saboia Fonseca Cruz, Maria Fernanda Derntl, Ricardo Trevisan, Rodrigo Santos de Faria, Sylvia Ficher e Valério Augusto Soares de Medeiros.

3.  Patrimônio e Preservação

Abordagens de cunho teórico e historiográfico sobre a preservação e conservação do patrimônio cultural arquitetônico e urbano, em suas manifestações tradicionais e recentes. Perspectiva multidisciplinar, discutindo os processos de musealização, patrimonialização, turismo e indústria cultural, tecnologia, projeto e gestão. Esta Linha de Pesquisa se propõe como eixo articulador de estudos interdisciplinares, sendo a formação específica da linha complementada com conteúdos das demais Linhas de Pesquisa em todas as Áreas de Concentração. Para mais detalhes das atividades desta linha de pesquisa, conheça também o Laboratório de Estudos da Urbe – LabeUrbe. Pesquisadores: Ana Elisabete de Almeida Medeiros, Cláudia da Conceição Garcia, Eduardo Pierrotti Rossetti, Elane Ribeiro Peixoto, José Manoel Morales Sánchez, Pedro Paulo Palazzo de Almeida, Sylvia Ficher e Vanda Alice Garcia Zanoni.

4.  Estética, Hermenêutica e Semiótica.

Estudos interdisciplinares em Estética, Filosofia da Arte e da Arquitetura, Teoria do Espaço, Semiótica da Cultura, Hermenêutica Filosófica, Epistemologia, Ética e Política. Análise, interpretação e comparação de obras de arte , de arquitetura e de fenômenos culturais, considerando as relações entre Arte, Arquitetura, Cidade e Paisagem. Para mais detalhes das atividades desta linha de pesquisa, conheça o NEHS – Núcleo de Estética, Hermenêutica e Semiótica. Pesquisadores: Cláudia da Conceição Garcia, Flávio Rene Kothe, Jaime Gonçalves de Almeida, Luciana Saboia Fonseca Cruz, Miguel Gally de Andrade e Sérgio Rizo Dutra.

III – TECNOLOGIA, AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

A área de Tecnologia, Ambiente e Sustentabilidade compreende estudos relativos a técnicas e processos ligados à produção da Arquitetura e do ambiente construído, com especial atenção à questão da sustentabilidade. Os sistemas estruturais são estudados no âmbito específico da Arquitetura e etapas da construção, desde os projetos e técnicas de produção até seu desempenho são objeto de pesquisas. O contexto urbano comparece com pesquisas relativas a qualidade do espaço e sua gestão, reabilitação em seus aspectos físicos e socioambientais.

1.  Estruturas e Arquitetura

Sistemas estruturais, equilíbrio e desempenho estrutural na arquitetura. Estudo da forma e função estrutural. Modelagem física e computacional de estruturas. Arquitetura em aço. Arquitetura em concreto armado e protendido. Pesquisadores: Carlos Eduardo Luna de Melo, Cláudia Estrela Porto, Ivan Manoel Rezende Do Valle, João da Costa Pantoja, José Manoel Morales Sánchez, Júlio Eustáquio de Melo, Márcio Augusto Roma Buzar e Raquel Naves Blumenschein.

2.  Sustentabilidade, qualidade e eficiência do ambiente construído

Controle e avaliação ambiental integrada e tecnologias eficientes para projeto, construção, operação e reabilitação de edificações e áreas urbanas, revitalização da paisagem. Gestão ambiental urbana e infraestrutura. Condições bioclimáticas e tradições culturais. Qualidade de vida urbana, desempenho ambiental e eficiência: energia, água, materiais e resíduos. Pesquisadores: Caio Frederico e Silva, Carlos Eduardo Luna de Melo, Cláudia Naves David Amorim, Daniel Richard Sant’Ana, Jaime Gonçalves de Almeida, Janes Cleiton de Oliveira, João da Costa Pantoja, Liza Maria Souza de Andrade, Márcio Augusto Roma Buzar, Maria do Carmo de Lima Bezerra, Marta Adriana Bustos Romero e Raquel Naves Blumenschein.

3.  Tecnologia de Produção do Ambiente construído

Estudos relacionados à tecnologia de materiais, componentes , elementos , sistemas e processos, no âmbito da construção e sua materialização, envolvendo inovação tecnológica, aperfeiçoamento das técnicas construtivas e de produção, industrialização da construção, prototipagem e fabricação digitais. Avaliação da qualidade construtiva visando os estudos do estado de conservação, desempenho e vida útil das edificações, assim como a manutenção e reabilitação do ambiente construído. Pesquisadores: Carlos Eduardo Luna de Melo, Cláudia Estrela Porto, Daniel Richard Sant’Ana, Francisco Leite Aviani, Ivan Manoel Rezende Do Valle, Jaime Gonçalves de Almeida, João da Costa Pantoja, José Manoel Morales Sánchez, Júlio Eustáquio de Melo, Márcio Albuquerque Buson, Márcio Augusto Roma Buzar, Miguel Gally de Andrade, Neander Furtado Silva, Raquel Naves Blumenschein e Vanda Alice Garcia Zanoni.

Os    currículos     lattes    dos    docentes     credenciados     no    Programa    estão    disponíveis     em: http://www.ppgfau.unb.br/professores/corpo-docente

1. REQUISITOS DO CANDIDATO
  1. estar em dia com as obrigações eleitorais, em caso de ser brasileiro;
  2. não ter vínculo empregatício (celetista ou estatutário), ou apresentar declaração de afastamento da instituição de origem;
  3. não ser beneficiário de outra bolsa de qualquer natureza;
  4. não ser aposentado ou estar em situação equiparada;
  5. ter título de doutor ou ata de defesa em Arquitetura e Urbanismo ou áreas afins às linhas de pesquisa do programa, no momento da implementação da bolsa;
  6. ter seu currículo atualizado e disponível na Plataforma Lattes, ou se estrangeiro, currículo compatível com o modelo Lattes, segundo modelo em anexo;
  7. estar apto a iniciar as atividades relativas ao projeto tão logo seja aprovada a sua candidatura pela CAPES;
2. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA INSCRIÇÃO
  1. ficha de inscrição (Anexo I);
  2. cópia do documento de identidade e CPF, ou número de passaporte;
  3. comprovante de residência;
  4. cópia do Diploma de Doutorado;
  5. cópia atualizada do currículo Lattes, ou se estrangeiro, currículo compatível com o modelo Lattes de acordo com modelo em anexo (Anexo II);
  6. cópia da tese de
  7. projeto de pesquisa relacionado a uma das linhas de pesquisa do PPG-FAU/UnB. O Projeto deverá ter entre 20.000 e 30.000 caracteres (com espaço), no máximo, em formato A4 com espaçamento 1,5, linhas com fonte Times New Roman, corpo 12. Na capa do Projeto de Pesquisa deverá ser indicado o nome do candidato,e título do projeto e linha de pesquisa. A proposta deverá conter: i) contextualização teórica, ii) justificativa da relevância do tema, iii) objetivos, iv) metodologia, v) resultados esperados, vi) cronograma e vii) referências;
  8. plano de atividades sobre como o candidato pretende contribuir para o Programa, tal como disciplinas a ministrar na Pós-Graduação e na Graduação, organização de evento, .
  9. duas cartas de recomendação.

As informações prestadas serão de inteira responsabilidade do candidato, dispondo a instituição do direito de excluir do processo seletivo aquele que fornecer dados comprovadamente inverídicos.

3. ATRIBUIÇÕES DO BOLSISTA SELECIONADO
  1. dedicar-se integralmente às atividades programadas junto ao Programa;
  2. desenvolver o projeto apresentado como requisito à candidatura da bolsa de pós- doutorado;
  3. publicar trabalhos acadêmicos;
  4. Participar e colaborar oportunamente em disciplinas existentes no âmbito da pós- graduação, de acordo com anuência da Linha de Pesquisa e dos professores responsáveis, bem como colaborar em disciplinas da graduação, conforme anuência do respectivo Departamento e dos professores responsáveis;
  5. fornecer ao Programa, no prazo solicitado, qualquer informação ou documentação referente a suas atividades no âmbito do PNPD;
  6. elaborar Relatório de Atividades Anual a ser submetido à aprovação do Programa de Pós- Graduação e encaminhar Relatório Final em até 60 (sessenta) dias após o encerramento da respectiva bolsa.

O bolsista poderá ser substituído no âmbito do programa de Pós-Graduação, a qualquer tempo, em casos de desempenho insuficiente, desistência, abandono ou não atendimento aos itens supracitados.

4. SELEÇÃO
  1. Os candidatos serão avaliados por uma Comissão Julgadora, especialmente constituída para essa finalidade, formada pelo coordenador do PPG-FAU/UnB e por mais três professores, um de cada área de concentração do
  2. O processo de seleção compreenderá a análise do projeto e currículo dos candidatos, assim como de entrevista presencial ou por vídeo conferência. Será indicado para receber a bolsa PNPD o candidato que, preenchendo os requisitos necessários, obtiver a maior pontuação final atribuída pela Comissão
  3. A seleção terá validade por um ano, ficando organizada a classificação dos candidatos em ordem decrescente para convocação em caso de desempenho insuficiente, desistência, abandono ou ocorrência de novas
5. BOLSA

A bolsa PNPD é uma bolsa de pós-doutorado no valor de R$ 4.100,00 (quatro mil e cem reais), a ser pago diretamente ao bolsista diretamente pela CAPES, com eventual possibilidade de financiamento de itens de custeio para uso exclusivo deste. A bolsa terá duração de 12 (doze) meses para professores ou pesquisadores afastados oficialmente de suas instituições, mas podendo ser renovada anualmente até atingir o limite máximo de 60 (sessenta) meses nos demais casos.

6. CRONOGRAMA 

18/06/2018: Início das inscrições.

20/07/2018: Término das inscrições.

30/07/2018: Divulgação do resultado no mural de avisos da Secretaria do Programa de Pós- Graduação.

7.CONSIDERAÇÕES FINAIS
  1. A inscrição do candidato implicará na aceitação das normas para o processo seletivo contidas neste
  2. Dúvidas e casos omissos serão resolvidos pela Coordenação e Comissão Julgadora do Programa, não cabendo
8.ENDEREÇO DO PROGRAMA

Programa de Pós-Graduação

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU Universidade de Brasília – UnB

Campus Universitário Darcy Ribeiro Brasília – DF, 70910-900

Horário de atendimento: Segunda a sexta das 8h30m às 11h30m e das 14h30m às 17h30m Tel: + 55 61 3107 7442

9.CONTATO E ENTREGA DE DOCUMENTOS

Será admitida a inscrição somente via internet, no endereço eletrônico http://www.ppgfau.unb.br, solicitada no período entre 8 horas do dia 18 de junho de 2018 e 18 horas do dia 20 de julho de 2018.

O edital de seleção e os formulários de inscrição encontram-se disponíveis aqui.

Prof. Marcos Thadeu Queiroz Magalhães Coordenador do Programa de Pós-Graduação FAU-UnB

O site do Núcleo Docomomo São Paulo já está no ar!

 

 

 

Edifício Giselle. Projeto de Telésforo Giorgio Cristofani, 1968 / Foto Silvia Chiarelli

O Núcleo Docomomo SP foi o primeiro a se estabelecer após a criação do Docomomo Brasil. Desde então, organiza com regularidade eventos, debates, encontros, seminários e workshops. E agora anuncia o lançamento de sua página na internet.

Nós, do Docomomo Brasil, não poderíamos deixar de parabenizar a equipe pela iniciativa, desejando aos seus responsáveis sucesso em seus propósitos.

1° DOCOMOMO | CE – Seminário de Documentação e Conservação do Movimento Moderno no Ceará

 

 

 

 

 

O NÚCLEO DOCOMOMO CEARÁ, chancelado pelo Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU) e o Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design (PPGAU+D) da Universidade Federal do Ceará (UFC) realizou o 1° DOCOMOMO|CE – Seminário de Documentação e Conservação do Movimento Moderno no Ceará – na cidade de Fortaleza, de 27 de fevereiro a 01 de março de 2018 com a temática “Intervenção e Preservação da Arquitetura Moderna no Ceará: ações e desafios”.

O DOCOMOMO (sigla referente a International Working Party for Documentation and Conservation of Buildings, Sites and Neigbourhoods of Modern Movement) é uma organização internacional, atenta à documentação e conservação da Arquitetura Moderna no mundo. Anualmente – em reuniões internacionais, nacionais e regionais – arquitetos, urbanistas e historiadores debatem sobre os princípios modernistas e a sua permanência na atualidade.
O propósito do 1° Seminário de Documentação e Conservação do Movimento Moderno no Ceará foi estimular e contribuir para o intercâmbio de estudos, pesquisas e experiências de intervenção no processo de documentação e conservação do patrimônio edificado modernista no Ceará, enfatizando as ações e os desafios da preservação deste acervo.
O evento teve uma programação bastante diversificada e com a participação de docentes, arquitetos e urbanistas, estudantes de diversas instituições de ensino e preservação do patrimônio. Destaque para a palestra de abertura denominada “Conservação da Arquitetura Moderna: desafios e ações”, proferida pelo Prof. Dr. Fernando Moreira Diniz – DAU-MDU-UFPE, a mesa redonda “O Papel do Estado na Preservação da Arquitetura Moderna”, com a participação do Prof. Romeu Duarte Jr (DAU-PPGAU+D-UFC); do arquiteto Alexandre Jacó (Representante do IPHAN), do Secretário de Cultura Fabiano Piúba (SECULT-CE) e da Paola Braga (Representante da SECULT-FOR), do Lançamento do Livro “Projeto, Obra, Uso e Memória: a intervenção no patrimônio modernista no Norte e Nordeste”, organizado pelos Professores Clovis Jucá e Ricardo Paiva, além da mesa “Conversa com os mestres”, com a presença ilustre dos Professores Eméritos da UFC José Liberal de Castro e José Neudson Braga.
A programação do evento contou com apresentações orais de professores da UFC e UNIFOR e de alunos do PPGAU+D, distribuídas em quatros sessões: Trajetórias Profissionais; Inventário e Tombamento da Arquitetura Moderna; Preservação, Intervenções e Dinâmicas Contemporâneas e Tipologias Modernas. Os resultados das comunicações e debates deverão ser reunidos em uma coletânea de artigos e publicados como e-book.
O debate promovido pelo evento foi bastante profícuo e para efeito de sua divulgação e alcance para a sociedade, uma vez que se trata de uma ação extensionista do DAU-UFC, foi prevista a produção da “Carta de Fortaleza – Direito à Arquitetura Moderna”, que sintetiza os desdobramentos e encaminhamentos suscitados pelo evento, alinhados ao desiderato do Núcleo DOCOMOMO CEARÁ e do DOCOMOMO Brasil, conforme segue na sequência.

CARTA DE FORTALEZA DIREITO À ARQUITETURA MODERNA
A relevância do 1° DOCOMOMO | CE – SEMINÁRIO DE DOCUMENTAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO MOVIMENTO MODERNO NO CEARÁ, realizado pelo Núcleo DOCOMOMO Ceará, se evidencia na necessidade de debater aspectos relativos à teoria, história, crítica, documentação, intervenção e conservação do patrimônio moderno e sua dimensão socioespacial, cultural e histórica na contemporaneidade.
A desvalorização da arquitetura moderna no Brasil e no Ceará se justifica em grande medida pela dinâmica da urbanização contemporânea, que reflete e reproduz a lógica do processo de acumulação atual, identificada com a mercantilização de tudo e a supremacia do “consumo” no/do espaço, acelerando o processo de destruição e (des)construção e comprometendo a permanência dos artefatos urbanos e arquitetônicos de vários tempos passados.
Os dilemas da conservação dos edifícios modernos se manifestam na negação do seu valor cultural e histórico passado e presente, agravado por algumas das tendências da arquitetura contemporânea, que incorporam o efêmero e o fugaz como pressuposto para sua produção, percepção e até mesmo como mote para intervenção no patrimônio moderno.
Neste contexto, com base na temática central do evento “Intervenção e Preservação da Arquitetura Moderna no Ceará: ações e desafios”, serão elencados a seguir objetivos estratégicos fundamentais em defesa do direito à arquitetura moderna.
– Estreitar os vínculos institucionais do Núcleo DOCOMOMO Ceará com os órgãos responsáveis pela preservação do patrimônio edificado no Ceará, como a Superintendência do Ceará do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional – IPHAN, a Secretaria de Cultura do Governo do Estado do Ceará – SECULT-CE e a Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Fortaleza – SECULTFOR, além dos conselhos afetos ao assunto, como o Conselho Estadual do Patrimônio – COEPA e o Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Histórico-Cultural – COMPHIC. Pretende-se articular a produção de inventários e instruções de tombamento de edifícios modernos no Ceará e em Fortaleza, além de outras ações por meio da atuação dos Laboratórios de Pesquisa do DAU-PPGAU+D-UFC (Atelier de Patrimônio Cultural – APC, Laboratório de Crítica em Arquitetura, Urbanismo e Urbanização – LoCAU) e do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UNIFOR (Laboratório da Paisagem).
– Articular as ações do Núcleo DOCOMOMO Ceará com o Conselho de Arquitetura e Urbanismo – do Ceará – CAU-CE e o Departamento do Ceará do Instituto dos Arquitetos do Brasil– IAB-CE, preconizando que a preservação da arquitetura moderna constitui uma questão atinente às entidades responsáveis pela prática e política profissionais dos arquitetos e urbanistas.
– Estabelecer convênios com as instituições supracitadas para a captação de recursos para o desenvolvimento de ações e projetos de documentação, conservação e intervenção no patrimônio modernista no Ceará.
– Considerar o campo ampliado relacionado à modernidade arquitetônica no Ceará, admitindo sua amplitude temporal, relacionada à coexistência de diversas expressões da modernidade, como os movimentos proto-racionalistas, proto-modernos e Art Déco, em sua amplitude geográfica, abrangendo todo o Estado do Ceará, bem como as suas variadas escalas e manifestações, valorizando as expressões do urbanismo, da arquitetura, do paisagismo, do design e do mobiliário no contexto da arte moderna.
– Divulgar nos meios de comunicação acadêmicos e públicos em geral, assim como nas mídias digitais, as ações do Núcleo, denunciando situações de ameaças aos conjuntos urbanísticos, paisagísticos e arquitetônicos modernos.
– Promover a integração dos núcleos de pesquisa envolvidos com a preservação cultural de forma inter e transdisciplinar, respaldando as ações do recém criado Centro de Preservação Cultural – CPC – da UFC e destes com universidades, centros universitários e faculdades de Arquitetura e Urbanismo da cidade de Fortaleza e municípios do Ceará.
– Realizar reuniões e eventos periódicos como forma de acompanhamento das ações do Núcleo DOCOMOMO Ceará, incluindo a participação nas atividades e eventos organizados pelo DOCOMOMO Brasil e seus demais núcleos regionais.
Por fim, a Carta de Fortaleza – Direito à Arquitetura Moderna, é um manifesto em defesa da preservação da arquitetura moderna no Ceará, da sua memória e dos seus agentes, à luz de uma perspectiva crítica e propositiva do seu legado histórico, cultural e artístico.

Fortaleza, 01 de março de 2018.

Profa. Dra. Margarida Julia Sales Andrade – Coordenadora Núcleo DOCOMOMO Ceará
Profa. Dr. Beatriz Helena Nogueira Diógenes
Prof. Dr. Clovis Ramiro Jucá Neto
Prof. Dr. Ricardo Alexandre Paiva
Prof. Dr. Romeu Duarte Junior

Student workshop: Education to everybody – structures in Ljubjana. Prazo para inscrições se encerram em 24/04

 

 

 

 

 

 

Bezigrad Gymnasium. Foto divulgação

Por DOCOMOMO International e DOCOMOMO Eslovênia.

Aos estudantes e professores participantes do 15th International DOCOMOMO Conference: as inscrições para participação no workshop “educação para todos: estruturas em Ljubljana” se encerram no próximo dia 24/04. Para inscrições de grupos (onde o tutor registra um grupo de alunos para o workshop), pedimos aos tutores que preencham o formulário excel com todas as informações e enviem para registration@cd-cc.si. Observe que, para inscrições de grupos, a submissão de carta de motivação e currículos é feita anteriormente pelo tutor.

Maiores informações em: http://docomomo2018.si/index.php/student-workshop

Nota de pesar – Victor Noel Saldanha Marinho

 

 

 

 

Foto: http://www.hotelilhadoboi.com.br/pt/fotos

O arquiteto Victor Noel Saldanha Marinho, membro do Escritório Técnico da Cidade Universitária do Rio de Janeiro, colaborador de Oscar Niemeyer e por décadas consultor do Departamento Nacional do Senac, faleceu aos 90 anos no último dia 28 de março. Entre as obras assinadas pelo arquiteto se inscrevem o Condomínio Sesc-Senac, que abriga a sede nacional de ambas as instituições, no Rio de Janeiro, e as unidades do Senac de Brasília, Florianópolis e o Hotel Senac Ilha do Boi, em Vila Velha, Espírito Santo. Entre os trabalhos mais recentes, participou do Programa Senac Móvel, transformando vagões ferroviários desativados em unidades de ensino.

Mais informações sobre o Hotel Senac Ilha do Boi em:
http://www.hotelilhadoboi.com.br/
Mais informações sobre o projeto Trem do Conhecimento em:
http://www.faperj.br/?id=1166.2.6
http://www.jb.com.br/rio/noticias/2008/12/15/cabral-inaugura-primeiro-vagao-do-trem-escola-em-nilopolis/

 

Lançamento Anais IV Docomomo-Rio

Segue aqui anexado arquivo com os Anais do IV Seminário Docomomo Rio – O Moderno no Rio: do Risco ao Risco, realizado nesta cidade nos dia 31 de outubro e 1º de novembro de 2017.

O Moderno no Rio do Risco ao Risco

ORGANIZAÇÃO DOS ANAIS

Andréa de Lacerda Pessôa Borde
Maria Helena Röhe Salomon
Renato da Gama-Rosa Costa

ISBN 978-85-88027-42-8

TEMA
O MODERNO NO RIO: DO RISCO AO RISCO
É inegável o lugar que o Rio de Janeiro ocupa na historiografia da arquitetura e do urbanismo modernos do Brasil e da América Latina. O risco moderno é um elemento importante da configuração espacial de muitas cidades fluminenses. Temos tanto um patrimônio moderno reconhecido pelos órgãos de tutela e que recebem apoio
internacional para a sua conservação como exemplares notáveis que, mesmo tendo sua singularidade enaltecida nos estudos críticos, não logram este reconhecimento e/ou o apoio para sua gestão.
O que nos permite considerar que o risco moderno está em risco nos faz questionar:
. Qual o estado de conservação deste legado?
. Quais as ações implementadas para a sua preservação
(conservação e documentação)?
. E, sobretudo, qual o futuro do moderno no Rio?

EIXOS TEMÁTICOS

O RISCO MODERNO NO RIO – contempla estudos e reflexões críticas sobre arquitetura, urbanismo e paisagismo concebidos de acordo com os preceitos do Movimento Moderno. Volta-se, em especial, à documentação, recepção e difusão dessa produção e seus rebatimentos na formação do espaço urbano contemporâneo das cidades fluminenses.
Os artigos e painéis selecionados abrangem análises de: projetos arquitetônicos e urbanísticos destinados como habitações individuais e coletivas, aos espaços institucionais e de saúde e ensino, bem como sua difusão mundo afora; e de projetos e obras de arquitetos e urbanistas modernos radicados no Rio de Janeiro, compreendendo um período largo na história da cidade, da década de 1920 a anos mais recentes e destacando a participação feminina, como Carmen
Portinho e Lota de Macedo Soares, neste contexto.

O MODERNO EM RISCO NO RIO – contempla os estudos e reflexões críticas sobre o patrimônio moderno em risco no Rio de Janeiro e as ações promovidas para conservação e gestão desse patrimônio.
Os artigos e painéis selecionados contribuíram para a reflexão sobre a conservação da arquitetura moderna no Rio de Janeiro – edifícios residenciais, universitários, hospitais e instituições de saúde – submetida aos desafios do tempo e da manutenção de uso bem como alertaram para ações de salvaguarda necessárias à conservação dos bens modernos tendo em vista as mudanças climáticas em curso.

CONPRESP tomba várias obras modernas paulistanas

Com informações do Núcleo Docomomo SP

Fotos Helio Herbst (Residência Oscar Americano, projeto Oswaldo Arthur Bratke)

 

Na reunião do CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo) , em 12/03/2018, foram tombadas várias obras da arquitetura moderna paulistana. Professores/as e pesquisadores/as mobilizaram-em apoio ao tombamento, sendo incluída uma carta elaborada pelo professor José Lira na ata da reunião, reproduzida no final deste texto.

Bem tombados:

Gregori Warchavchik
Edifício Mina Klabin Warchavchik
Conjunto de casas econômicas na Barão de Jaguara
Salão de Festas do Clube Pinheiros

Rino Levi
Laboratório Paulista de Biologia
Conjunto Hospitalar A.C.Camargo
Edifício Porchat
Edifício Trussardi

Convenio Escolar
Escola Estadual Pandiá Calógeras, Mooca
Escola Estadual Brasílio Machado, Vila Mariana
Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos Helen Keller
Biblioteca Roberto Santos, Ipiranga
Biblioteca Adelpho Figueiredo, Canindé

Rodrigo Lefèvre 
Casa Pery Campos
Casa Dino Zammataro

Oswaldo Bratke
Fundação Oscar e Maria Luisa Americano
Edificio Lineu Gomes

+ Conjunto de 31 edifícios modernos (no bairro de Perdizes)

Casos muito importantes, como obras de Vilanova Artigas, Hans Broos, Paulo Mendes da Rocha, e conjuntos como o Parque das Fontes do Ipiranga e a Cidade Universitária da USP, tiveram seu exame adiado para outra reunião (a ser realizada em 19/03/2018). Parte do conjunto de edifícios modernos propostos para tombamento não foi incluído.

Segue portanto necessário continuar atuando em prol da efetiva preservação desse patrimônio moderno.

Carta elaborada pelo professor José Lira

Ao Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo – CONPRESP
Ilmo. Sr. Cyro Laurenza
Presidente do CONPRESP

São Paulo, 8 de março de 2018

Prezados(as) Senhores(as),

É com profundo interesse que a comunidade arquitetônica e patrimonial de São Paulo vem acompanhando os processos de tombamento e preservação de bens arquitetônicos modernos construídos na cidade entre os anos 1920 e 1970. Afinal, além da excepcional qualidade artística de um bom número deles, em conjunto evocam um momento crucial de afirmação física, social e cultural da metrópole. A força desta arquitetura na configuração da nova ecologia metropolitana é proporcional a seu peso nos processos contemporâneos de expansão e adensamento da malha urbana, verticalização das áreas mais centrais, ascensão de novos padrões residenciais e instalação em toda parte de espaços modernos de trabalho, consumo, lazer, esportes, cultura, educação e saúde.

É verdade que muitos dos marcos arquitetônicos desse processo se perderam nas últimas décadas, substituídos por uma quarta ou quinta camada de urbanização autofágica, ou abandonados à ação da matéria e aos constrangimentos provocados pela marcha inexorável da urbanização, por obras viárias inflexíveis, projetos imobiliários imediatistas e intervenções no mínimo desastradas. De qualquer modo, como em toda grande cidade que se pretenda um polo de civilidade no planeta, aqui e ali, também em São Paulo, alguns deles resistem. Se bem salvaguardados, haverão de afirmar-se como marcos fundamentais de orientação dos cidadãos no espaço e no tempo, de preservação de uma escala humana na megalópole, de coesão social em torno de um sistema cultural urbano comum, essa espécie de acervo vivo de estruturas e figuras nas palavras de Giulio Carlo Argan, capaz de fornecer balizas seguras ao conhecimento e ao desenvolvimento das cidades.

Com a iniciativa de tombamento, oferece-se assim uma resposta consistente com os esforços historiográficos das duas últimas décadas no sentido do conhecimento, valorização e ampliação do corpus de obras de arquitetura moderna paulista, e ao mesmo tempo uma contribuição para a qualificação do ambiente construído local. Trata-se, portanto, de uma iniciativa fortemente enraizada na mais atualizada pesquisa científica, com benefícios inestimáveis para o público em geral, crescentemente interessado pelo patrimônio edificado – vide o sucesso de exposições, publicações e jornadas a seu respeito – assim como para as futuras gerações de habitantes e visitantes da cidade. Preservar esses bens não só salvaguarda a memória de grupos sociais os mais diversos, como garante a densidade histórica, cultural e ambiental necessária para o futuro de uma cidade do porte de São Paulo.

A relevância e a complexidade do acervo em exame é tal que qualquer decisão a respeito de sua preservação deverá se valer das análises qualitativas e dos cuidadosos estudos técnico-patrimoniais que vem notabilizando o Departamento de Patrimônio Histórico desta Secretaria Municipal de Cultura já há mais de três décadas. Neste sentido, é que vimos perante este Conselho Municipal solicitar atenção ao valor patrimonial deste Conjunto de Arquitetura Moderna reunido nos vários processos sob seu zelo, no sentido de sua efetiva preservação pelos meios legais.

Atenciosamente,

Carlos Alberto Cerqueira Lemos (Professor Titular da FAU-USP, Diretor técnico do Condephaat, 1968-1981, Ex-Conselheiro do Condephaat, do Iphan e do Conpresp)

Benedito Lima de Toledo (Professor Titular da FAU-USP, Ex-Conselheiro do Condephaat)

Monica Camargo Junqueira (Professora Associada da FAU-USP, Ex-Conselheira do Conpresp)

Joana Mello de Carvalho e Silva (Professora Doutora da FAU-USP)

José Tavares Correia de Lira (Professor Titular da FAU-USP)

Ana Lúcia Duarte Lanna (Professora Titular da FAU-USP, Ex-Presidente do Condephaat)

Beatriz Mugayar Kuhl (Professora Titular da FAU-USP, Ex-Conselheira do Condephaat)

Cristina Meneguello (Professora Associada IFCH-Unicamp, Conselheira do Condephaat)

Maria Lucia Bressan Pinheiro (Professora Associada FAU-USP, Ex-Conselheira do Condephaat)

Flavia Brito do Nascimento (Professora Doutora da FAU-USP, Conselheira do Condephaat)

Hugo Massaki Segawa (Professor Titular da FAU-USP)

Ruth Verde Zein (Professora Doutora da FAU-Mackenzie)

Luis Recamán Barros (Professor Doutor da FAU-USP)

Silvana Barbosa Rubino (Professora Associada IFCH-Unicamp, Ex-Conselheira do Condephaat)

Guilherme Teixeira Wisnik (Professor Doutor FAU-USP)

Ana Paula Koury (Professora Doutora da FAU-São Judas)

Renato Sobral Anelli (Professor Titular do IAU-USP)

Andrea de Oliveira Tourinho (Professora Doutora da FAU-São Judas)

Fernando Vásquez (Professor Doutor da FAU-São Judas, Coordenador Docomomo-SP)

Helena Ayoub (Professora Doutora da FAU-USP)

Miguel Buzzar (Professor Associado e Diretor do IAU-USP)

Luis Antonio Jorge (Professor Associado da FAU-USP)

Sabrina Fontenele (Professora colaboradora do IFCH-Unicamp)

Paulo Cezar Garcez Marins (Prof. Doutor Museu Paulista da USP, Conselheiro do Condephaat)

Cecília Rodrigues dos Santos (Profa. Doutora da FAU-Mackenzie, Superintendente Iphan-SP)

Carlos Alberto Ferreira Martins (Professor Titular do IAU-USP, Ex-Presidente da ANPARQ)

Ana Lucia Ceravolo (Professora Doutora, Ex-Presidente da Fundação Pró-Memória de São Carlos)

Sarah Feldman (Professora Associada Senior IAU-USP, Conselheira do Condephaat)

Nadia Somekh (Professora Titular da FAU-Mackenzie, Ex-Diretora do DPH-SP)

Keeping It Modern na FAUUSP: algumas linhas

 

 

 

 

Por Maria Lucia Bressan Pinheiro / Foto Grupo Conserva FAU

Em dezembro de 2017, a FAUUSP entregou o relatório final do projeto “Um plano de gestão da conservação para o edifício Vilanova Artigas, da FAUUSP”, financiado com recursos do programa Keeping It Modern, da Fundação Getty. Baseado na metodologia de elaboração dos Conservation Management Plans, desenvolvida por James Semple Kerr, que tem sido bastante aplicada em países como o Reino Unido e a Austrália, o projeto optou por privilegiar a formulação de diretrizes para ações de manutenção e conservação necessárias à preservação de dois dos mais significativos elementos do edifício Vilanova Artigas, que são também aqueles mais desafiadores do ponto de vista da sua preservação: a cobertura e as fachadas. Para subsidiar estas duas frentes de pesquisa, uma terceira tarefa fazia-se necessária, a saber, a elaboração de um dossiê abrangente sobre o edifício, visando o entendimento de suas características físicas, seu histórico e seu significado, buscando também identificar e suprir lacunas de conhecimento e de documentação, para embasar decisões de preservação no futuro. Assim, o relatório final do projeto compunha-se de 3 partes, denominadas tarefas, expostas a seguir.

A Tarefa 1 apresentou o edifício, seu significado cultural, suas características físicas, transformações ao longo do tempo e principais vulnerabilidades. Também no âmbito da Tarefa 1, foi realizado um levantamento cadastral (as built) do edifício – algo que nunca havia sido realizado, e que é obrigatório, não somente como documentação do estado atual do edifício, mas enquanto base real para futuros projetos e intervenções que possam vir a ocorrer.

A Tarefa 2 desenvolveu um plano de monitoramento constante da membrana de impermeabilização à base de poliureia aplicada na última obra de recuperação da cobertura do edifício, a partir do estudo aprofundado de suas características de desempenho e estado de conservação. Além disso, foram estudados os demais elementos que interferem no sistema de impermeabilização, tais como movimentos estruturais da laje, juntas de dilatação, prumadas de captação de agua pluvial, arremates, sistema de instalação dos domos e rufos, proteção contra descargas atmosféricas, etc. Assim, a partir da análise de todos esses elementos, foi desenvolvido um plano de conservação para a cobertura.

A Tarefa 3 se concentrou na investigação da composição do concreto armado das empenas e seu estado de conservação. A primeira providência foi o levantamento de danos e a localização e quantificação dos reparos recém-executados na última obra de recuperação do Edifício Vilanova Artigas, a partir de varredura a laser realizada por equipe da Universidade de Ferrara. Para a determinação da composição e resistência do concreto foram realizados testes in situ e análises laboratoriais de amostras (corpos de prova), com ensaios físicos e mecânicos, a cargo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), para estabelecer alguns parâmetros quanto a seu traço, capacidade de absorção de água, volume de vazios, massa específica, resistência à compressão e módulo de elasticidade. Esses testes foram realizados por amostragem, uma vez que trata-se de testes destrutivos, que exigiriam a remoção de um número grande de corpos de prova, algo não aconselhável numa estrutura de interesse histórico, tanto por segurança como pela interferência na imagem do edifício. Essa frente de trabalho também avaliou a situação atual da corrosão das armaduras de aço do concreto, por meio de determinação e monitoramento das variáveis eletroquímicas. Os resultados guiarão intervenções futuras que terão como alvo áreas que apresentam um maior risco de danos ao concreto. Pretende-se, assim, minimizar as áreas de intervenção e prevenir a perda desnecessária de material original.

Dessa forma, foi possível reunir um conjunto de informações e análises sobre o Edifício Vilanova Artigas indispensável para a sua conservação, a ser amplamente divulgado, de forma a contribuir para a preservação do importante patrimônio moderno brasileiro. O desafio seguinte é implementar os procedimentos de manutenção e conservação especificados, configurando-os como um compromisso institucional da FAUUSP.

Assista online o documentário sobre o arquiteto Wandenkolk Tinoco

Por Roberto Ghione – IAB PE 

 

 

 

 

O filme traz um paralelo entre as ideias e a produção do arquiteto pernambucano Wandenkolk Tinoco, figura fundamental no desenvolvimento da arquitetura com linguagem moderna no Nordeste do Brasil – especialmente em Pernambuco – através de suas atividades como projetista e professor universitário.

Com o documentário, tenta-se quebrar o silêncio sobre a arquitetura pernambucana, que outrora chamou atenção pela sua capacidade de conciliar o pensamento modernista ao modo de construir local, com soluções construtivas que perfazem a tradição: jardineiras, varandas, azulejos, cobogós, além de saques, reentrâncias e vegetação como elementos compositivos e de proteção da incidência solar. Tudo isso somado a suave relação entre espaço privado e público, produzindo o edifício sem prejuízo à cidade.

A direção e o roteiro foram realizados por Bruno Firmino, Arquiteto e Urbanista formado pela UFPE e mestrando pela mesma instituição. O filme foi viabilizado através do edital público pernambucano FUNCULTURA Audiovisual.

– Sinopse:

Das silenciosas sombras às linhas que atravessam ideias e obras do arquiteto Wandenkolk Tinoco

– Link: 

https://vimeo.com/ 137135415

– Teaser:

vimeo.com/137648943

– Versões Legendadas:

vimeo.com/138659403 (Inglês)

vimeo.com/138987285 (Espanhol)

Informação enviada por Malu Freitas

 

Núcleo Docomomo SP tem nova coordenação

 

 

 

 

 

Aprovada por aclamação a nova gestão 2018-20 do Núcleo Docomomo SP:

Fernando Vázquez Ramos, coordenador e Mirthes Baffi, vice-coordenadora
e-mail para contato: nucleo.docomomo.sp@gmail.com

O Docomomo Brasil parabeniza os colegas desejando-lhes uma ótima gestão!